1993: Adolpho Bloch recupera o controle da TV Manchete

Bloch retoma a TV

Além do casal 20 do telejornalismo, a Manchete perderia em 1993 uma série de outras estrelas, dentre elas Otávio Mesquita e Angélica.  Além dos artistas e programas, a Manchete perderia ainda uma série de suas afiliadas em todo o país.

Em fevereiro, Jayme Monjardim volta a Manchete, e acaba com o Cinemania e o Documento Verdade, alegando que o público não estava mais interessado em programas pesados e extremamente realistas, mas sim em um conteúdo mais leve. Durante o restante do mês, greves se espalharam pelas emissoras do Rio e São Paulo, e muitos funcionários chegaram a ir as ruas pedir comida para os motoristas.

Em março funcionários invadem os controles da emissra e colocam slides no ar denunciando a falta de salários que se arrastava desde dezembro. Pela primeira vez na história os funcionários tomavam o controle de uma rede de TV. Durante esta confusão, a emissora de São Paulo chegou a gerar o sinal para toda a rede, mas o sinal caiu, e a TV ficou fora do ar por mais de 4 horas. A TV Globo entrou com uma câmera escondida e registrou tudo.

A dívida da Manchete com o Banco do Brasil somava 30 milhões, e com a Previdência Social chegava a 160 milhões de dólares. Além disso, Hamilton Lucas de Oliveira vinha sendo investigado por favorecimento no esquema de propinas de PC Farias. As greves continuavam pelo país, e funcionários do Rio organizaram uma caravana para retirar do ar a filial de São Paulo, mas não tiveram sucesso. Carlos Chagas, diretor da Manchete em Brasília, aderiu à greve. Neste momento, só a técnica estava funcionando. Os departamentos de produção e jornalismo estavam de braços cruzados.

A tensão em torno da possível interrupção do sinal da rede por parte dos funcionários do Rio fez com que São Paulo solicitasse, à filial carioca, fitas do acervo sob o pretexto de “recatalogação”. Em paralelo conseguiram através do acervo pessoal de Jayme Monjardim, em VHS, toda a novela A História de Ana Raio e Zé Trovão que, depois de receber algum tratamento, foi recolocada no ar. Desesperada, a direção da emissora negociava a aquisição de programas enlatados. A esta altura, os funcionários de São Paulo também já estavam em greve.

No dia 25 de março Adolpho Bloch publciou uma carta à imprensa, contando sua trajetória, sobre sua “luta” em erguer a emissora de TV, os prêmios por ela recebidos, e das dificuldades políticas que o motivaram vender a emissora. Além disso, denunciou o descumprimento do acordo de venda por parte do Grupo IBF, e que por conta disso, tinha entrado com uma liminar na justiça. Pediu paciência a funcionários, telespectadores e mercado publicitário, e que a recuperação do controle da Manchete seria uma questão de tempo. Pediu também o apoio do presidente Itamar Franco.

Nilton Travesso rompe no final de março com a Manchete, depois de cinco anos produzindo programas para a emissora.

Anúncio da retomada da Manchete pelo Grupo Bloch

Em abril o presidente da República cancela a venda da Manchete e ordena a volta do controle da emissora a Adolpho Bloch. Nesse momento, o empresário declarou que Hamilton teria pago 10% do acordado e conseguiu uma liminar na justiça. O dono do grupo IBF entrou com um recurso, mas perdeu a causa. O grupo Bloch se comprometeu a pagar os salários atrasados em um mês.

Ao reassumir a emissora, o Grupo Bloch encontrou a situação ainda pior. Quando da passagem da emisora para as mãos do Grupo IBF, vários profissionais saíram da casa, como por exemplo, Otávio Mesquita e Angélica, e programas como o Documento Especial. A dificuldade em formar uma grade de programação era ainda maior. No mês de julho, grevistas tiraram novamente a Manchete do ar.

Marcia Peltier assume o JM

Os investimentos começaram com a contratação de Mylla Christie para o Clube da Criança, a estreia dos programas de videoclipes Raio Laser, o programa de debates Bate Boca com Solange Bastos, e a estréia de Marcia Peltier no comando do Jornal da Manchete Primeira Edição.

Fernando Barbosa Lima assume, neste mesmo ano, a diretoria-geral da emissora.

Novidades da programação de 1993

Escrita por Regina Braga, começou a produção da novela O Marajá baseada na vida do ex-presidente Fernando Collor de Mello. O clima era de espectativa e a grande repercussão insinuava um grande sucesso, mas uma liminar na justiça proibiu sua exibição, explodindo toda a situação em um grande escândalo, onde até o sumiço de fitas com capítulos gravados foi registrado. O jeito foi aproveitar os atores para um novo projeto: a novela Guerra sem Fim, baseada no tráfico de drogas do Rio, mas que não obteve grande sucesso de público.

Os anos conturbados de 1991 a 1993 contribuiriam para o crescimento do SBT. A TV de Silvio Santos aos poucos foi levando profissionais, programas a afiliadas da Manchete, e além disso, contratou uma série de funcionários da dramaturgia, contribuindo para o sucesso desse departamento na emissora paulistana. O SBT consolidou a vice-liderança nos anos seguintes.

Por Diogo Montano, em 24/09/1999

leia também