1996: Xica da Silva recoloca a Manchete na vice-liderança

No início de 96 a audiência crescia com uma grade mais competitiva, liderada pelas novelas e jornalísticos todos os dias..

1996-1997: novo período de sucessos

Uma nova vinheta marcaria o início da nova fase e o antigo slogan, “Qualidade em primeiro lugar”, sofria uma pequena adaptação, mas com grande significado: “Você em Primeiro Lugar”. Marcaria a nova fase, de reconquista de audiência e expansão novamente sobre as classes C e D.

Depois de transmitir mais um carnaval totalmente dedicada ao evento, a Manchete se preparava para lançar uma programação popular e ao mesmo tempo buscando se fortalecer o posicionamento como referência em jornalismo.

As novidades começaram já no dia 09 de março, com a estréia do “Programa Raul Gil”, aos sábados das 14h às 18h30. O clássico programa seria o grande trunfo da emissora para largar de vez o perfil da “TV de 1ª Classe”. A audiência subiu, levando a emissora a liderança de audiência por vários moments nas tardes de sábado.

As novidades continuaram com a estréia em abril do esportivo “Toque de Bola”, um debate apresntado pelo veterano Paulo Stein aos domingos, das 21:30hs às 22:30hs, com participação fixa de Washington Rodrigues. No mesmo embalo, após o “Toque”, estreva “O Grande Júri”, com José Carlos Cataldi, que acabou não tendo sucesso e deixando a grade no mesmo no pacote de novidades, voltavam do fundo do baú as séries “National Kid” e “Ultraman”, além da estréia de uma safra de animes:  Sailor Moon, Shurato e Samurai Warriors, motivados pelo sucesso de Os Cavaleiros do Zodíaco.

1996: Hummel troca a Globo pela Manchete nobre

Ainda em abril, seguindo a frente dos jornalísticos, estreou o Na Rota do Crime, com o até então global Marcos Hummel, todas as sextas após a novela ( faixa das 22h30 às 23h30). O formato seria inédito na TV, mas que seria amplamnete copiado nos anos seguintes: acompanhar policiais militares nas operações pelas favelas da cidade de São Paulo, sem narração ou edição autoral de um jornalista, mantendo uma imagem mais natural possível. Talvez tenha sido o primeiro reality show da TV. Também cumpria bem o papel de seduzir o telespectador de São Paulo. Chegaria muitas vezes a liderar a audiência no horário, com médias de de 14 até 16 pontos nos anos seguintes. Com mais essa novidade, a faixa das 22h30 de segunda a sexta estava inteiramente dedicada a programas informativos.

Em junho a emissora comemorava treze anos com uma grande festa. Foram dois shows com artistas famosos. Um para os funcionários com Daniela Mercury, e outro para o público, em plena tarde de domingo no Aterro do Flamengo, bem em frente ao prédio-sede da emissora. O show durou das 16h às 20h e trouxe como atrações os grupos “Só pra contrariar”, “Double You”, “Roupa Nova” e “Os Morenos”.

Em meio às novidades dos “treze anos”, dois programas estreariam no dia seguinte: Gente Importante apresentado por Anna Bentes Bloch, com entrevistas nas tardes de segunda à sexta (substituindo Os Medicos), e Manchete Verdade, um telejornal no estilo de uma revista eletrônica, com Marcos Hummel e participação diária de Dora Bria(esportes), Carlos Chagas(política), Tamara Leftel(economia) e Ique (charges e caricaturas). A emissora se posicionava como o canal da notícia e da informação.

Manchete Verdade - Chamada de estreia - 1996
1 de 1

Notice: Undefined index: next in /var/www/html/wp-content/plugins/yotuwp-easy-youtube-embed/templates/grid.php on line 11
1 de 1

Nas noites de sábado entreava no programa “Uma história de sucesso”, documentário que contava a trajetória de cantores e grupos musicais do Brasil e do mundo.

Como fez durante toda a sua trajetória, a emissora se preparava para apresentar os jogos olímpicos de Atlanta. As Olimpíadas de Ouro trouxeram uma inovação: o Jornal da Manchete passou a ser apresentado por Marcia Peltier diretamente da cidade sede do evento, o que seria amplamente copiado pelas outras emissoras na década seguinte.

Em julho, a Manchete estreava um novo pacote de vinhetas onde o logo da Manchete pousava sobre telas de pintores renomados.

Em setembro do mesmo ano, sob o comando de Walter Avancinni estreava Xica da Silva, novela baseada na vida da escrava viveu no século XVIII e escandalizou a sociedade de sua época. A novela foi um sucesso atingindo médias de 18 pontos com picos de 22.

xica
1996: Novo Sucesso

A Manchete estava em segundo lugar absoluta em vários horários e poderia ser considerada a terceira do ranking de audiência. A novela vinha acompanhada de uma nova nova vinheta interprogramas.

A último vôo do M

Em 1996 entrava no ar a última vinheta interprogramas da Manchete. Ela trazia de volta o conceito de explosão espacial, e tinha três versões: 1 – uma com o prefixo sonoro do locutor da Manchete, com o slogan da emissora, que era exibida entre programas. 2- outra sem o slogan, que era exibida após as chamadas de programas. 3- e uma última versão, compactada, que era levada ao ar fechando e abrindo os blocos dos filmes (o último plim plim da Manchete).

As vinhetas ficariam no ar até 1999, quando a Manchete saiu do ar.

 

Vinheta especial de fim de ano: 1996/1997

Em dezembro vai ao ar a vinheta institucional de fim de ano, embalada pela música-tema de Xica da Silva e imagens da emissora. A mensagem “nosso programa é estrear junto com você o novo ano, o ano todo. 1997, Rede Manchete, você em primeiro lugar”, insinua que diferente das demais emissoras de TV, a Manchete trazia novidades ao longo de todo o ano.

Grade de Programação de 1996