Na Rota do Crime - TV Manchete

Na Rota do Crime chegou à liderança de audiência

O primeiro reality show da TV brasileira, o Na Rota do Crime acompanhava operações policiais da ROTA, todas as sextas-feiras, com Marcos Hummel. Ganhou edição diária a partir de 1997.

Idealizado por Fernando Barbosa Lima, diretor geral da Rede Manchete, o Na Rota do Crime estreou dia 19 de abril de 1996, junto com um pacote de novos programas.

A concepção do programa

A ideia surgiu devido ao sucesso do episódio Na Rota da Morte, do 24 Horas, o jornalístico que a Manchete exibia às segundas-feiras. “Na Rota” foi extinto em 1998, quando a emissora paralisou a produção de programas durante sua última e derradeira crise.

O “Na Rota do Crime” seria exibido aos domingos, às 20h30. Mas ao ver o primeiro programa, as cenas eram tão tristes, que o presidente da emissora, Pedro Jack Kapeller, determinou a mudança do dia e horário da atração. O diretor do programa, Hermes Leal, garantia que, apesar de fortes, a narrativa era de cinema, sem apelação ou cenas de sangue.

Com o programa, a emissora entrava na disputa da audiência das noites de sexta com os filmes da Globo e do SBT, respectivamente lider e vice-lider. Até a CNT tinha no horário o “Pista Dupla”, um seriado policial, realizado em Curitiba, ocupando o terceiro lugar.

Formato

Produzido em São Paulo, mas apresentado a partir do Rio por Marcos Hummel, “Na rota do crime” acompanhava o trabalho dos grupos especiais das policias militar e civil paulistas, como a Rota (Ronda Ostensiva Tobias de Aguiar) e o Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais), desde estouros de bocas de fumo até cenas de tiroteio entre policiais e traficantes. Além disso, também mostrava imagens de criminosos foragidos com o número do Disque Denúncia.

O repórter não aparecia no vídeo, nem havia locuções em off. Fugindo das coberturas jornalísticas, as ações eram narradas pelos próprios policiais envolvidos nas investigações.

Foi o primeiro reallity show da TV brasileira, numa época em que este termo sequer existia no mundo. O programa literalmente mostrava a realidade das operações policiais, praticamente sem cortes.

Sucesso

A reportagem de estreia mostrou a saída de mais de 40 viaturas para uma busca do bandidos na periferia de São Paulo e o flagrante de uma mulher acusada de traficar crianças.

Deu certo! O Na Rota do Crime passou a brigar pelo primeiro lugar com a Globo. Estreou já com 8 pontos e na edição de 6 de setembro de 1996, deu uma surra no SBT: 10 x 4 pontos no Ibope. E isso em São Paulo!

Imagem de Jornalismo da Rede Manchete -
1996: Jornalismo nobre

Durante os dois anos e meio que esteve no ar, foi, por muitas vezes o campeão de audiência da programação semanal da Manchete. Chegava a dar médias de 14 pontos, e ultrapassou a Globo várias vezes. Chegou a registrar média de 16 pontos em São Paulo.

Na Rota do Crime” serviu também para aproximar o telespectador paulista da emissora, ainda vista por parte do público como um canal carioca.

Edição diária

Sucesso de audiência, em outubro de 1996 ganhou uma edição diária às 20h15 com meia hora de duração. Era apresentado por Florestan Fernandes, produzido na filial paulistana da emissora. A partir daí, passou a acompanhar as polícias de outros estados também, não se restringindo à polícia paulista.

Imagem 1 de Jornalismo da Rede Manchete - 1
Florestan Fernandes Jr. apresentando a edição diária do Na Rota do Crime

Marcos Hummel continuava apresentando uma edição especial na faixa das 22h40 das sextas, que tinha os melhores momentos dos programas diários. O jornalista também apresentava, nesta época, o ao lado de Marcia Peltier.

Chamada de Na Rota do Crime em 1996

Em 1998 Marcos Hummel foi para a TV Bandeirantes e Augusto Xavier foi contratado para ocupar seu lugar nas edições semanais. \

leia também