1981: Bloch ganha concessões e monta a TV mais moderna do mundo

Os preparativos

Em 18 de julho de 1980, a Rede de emissoras dos Diários Associados foi cassada pelo Governo Federal após longo período de crise que levaram as sete emissoras capitaneadas pela TV Tupi de São Paulo, a um quadro de dívidas, programação sucateada, salários atrasados e funcionários em greve. A primeira emissora de televisão do Brasil chegou ao fim, levando junto as outras emissoras de Assis Chateaubriant: TV Tupi do Rio, TV Itacolomi (Belo Horizonte), TV Marajoara (Belém), TV Piratini (Porto Alegre), TVClube (Recife) e TV Ceará (Fortaleza). As outras emissoras que compunham a então “Rede Tupi”, mas que não pertenciam ao grupo econômico, trataram de se filiar à TVS do Rio e à TV Record de São Paulo, mas mantendo independência comercial.

Em setembro daquele ano, o governo do então presidente João Baptista Figueiredo, abriu então nova concorrência para a concessão dos canais. Somou-se às sete emissoras da Tupi dois outros canais cassados na década de 70: a TV Continental do Rio e a TV Excelsior de São Paulo. Com os nove canais, o governo lançou dois editais, cada um para uma nova rede, que obrigatoriamente seriam geradas de cidades específicas: uma a partir do Rio, e outra de São Paulo.

Composição das novas redes de televisão

REDE ‘A’: REDE ‘B’
São Paulo: canal 4 (TV Tupi)
Geradora
Rio de Janeiro: canal 6 (TV Tupi)
Geradora
Rio de Janeiro: canal 9 (TV Continental)*São Paulo: canal 9 (TV Excelsior)*
Porto Alegre: canal 5 (TV Piratini)
Belo Horizonte: canal 4 (TV Itacolomi)
Belém: canal 5 (TV Marajoara)Recife: canal 6 (TV Clube)
Fortaleza: canal 2 (TV Ceará)
Total: 4 canais, sendo 3 ex-Rede TupiTotal: 5 canais, sendo 4 ex-Rede Tupi
*TV Continental e TV Excelsior não perteciam à Rede Tupi e já haviam sido cassadas na década anterior.

Grupos econômicos importantes se interessaram, como a Editora Abril, o Jornal do Brasil, Grupo Silvio Santos, Rádio Capital e a Bloch Editores. Bandeirantes e Record se posicionaram contra a divisão em duas redes, pois alegavam que as três existentes (Globo, Bandeirantes e Record/TVS) já saturavam a verba publicitária disponível. Mas o governo achava exatamente o oposto: que mais redes aumentariam a concorrência e forçariam uma melhor divisão dos investimentos no setor.

Folha de SP: JB e Abril estariam quase definidos para novas redes de televisão,
Colunista da Folha, Tarso de Castro, afirma que Jornal do Brasil e Editora Abril estavam praticamente definidos

A disputa foi tão acirrada que o resultado demorou um ano para sair. A expectativa no mercado era a de que os contemplados viriam a ser o Grupo Abril e o Jornal do Brasil. Os privilegiados, no entanto, foram Silvio Santos, então acionista da Rede Record de São Paulo e também proprietário da TVS do Rio de Janeiro (canal 11), e Adolpho Bloch. Este, dono de um importante grupo de comunicação, que possuía credibilidade e influência no governo federal, tendo se tornado próximo aos sucessivos Presidentes da República. O JB e a Editora Abril, por outro lado, eram vistos pelo governo como opositores. Já Silvio Santos foi o azarão do processo, pois era dono de uma concessão de TV no Rio e 50% da Rede Record, sendo inapto a concorrer de acordo com a Lei. Mas ele se comprometeu e entregar o novo canal carioca para a Rede Record, e vender sua participação na rede Paulista.

A TV Manchete Ltda, formalmente a razão social da empresa que participou da licitação, teve ajuda da Globo para fazer o projeto técnico. Bloch prometia uma “TV de alto nível“. O governo tinha certa preocupação porque as revistas do grupo Bloch costumavam usar a nudez feminina como isca para vender revistas. Alexandre Garcia, então porta-voz do governo militar, fez lobby em defesa dos Blochs, e conseguiu convencer o Presidente que este problema não ocorreria com a TV. O jornalista acabou ganhando o cargo de diretor da Manchete em Brasília.

Bloch recebeu apoio técnico da Globo em 1981

Os empresários assinaram a concessão em Brasília no dia 19 de agosto de 1981, e o SBT estreou transmitindo o evento ao vivo. A emissora do dono do baú contou com a infra-estrutura já existente na TVS , Record, e adquiriu equipamentos usados da antiga TV Tupi. Também contratou ex-profissionais da rede anterior para atender a uma das condições previstas no acordo com o Governo Federal. Já a Manchete, herdou a folha de pagamentos da Tupi carioca, mineira, pernambucana e cearense.

Bloch e Silvio Santos assinam concessões de Manchete e SBT
Oscar Bloch, sobrinho de Adolpho Boch, e Silvio Santos durante a assinatura da outorga do SBT e Manchete, em 1981.

Adolpho Bloch demoraria dois anos para colocar sua rede no ar. Além da dificuldade natural em montar um negócio totalmente novo para suas empresas, o posicionamento que se traçava para a TV Manchete exigiria fortes investimentos, tanto na aquisição de equipamentos de ponta, como em uma programação de alta qualidade. A idéia era criar uma rede dirigida às classes A e B e que tivesse uma imagem jovem e moderna, inspirando-se no padrão da BBC de Londres.

Ampliação do prédio da Bloch Editores para abrigar a TV Manchete, 1982.
Ampliação do prédio da Bloch Editores para abrigar a TV Manchete, 1982.

Em 1982, o empresário encomendou a Oscar Niemeyer o projeto de expansão do prédio da Bloch Editores, no terreno ao lado, para comportar a estrutura da TV Manchete. Além disso, equipou o Teatro Adolpho Bloch para que pudesse ser usado como auditório de TV. A exigência pela mais nítida imagem dentre as TVs, também demandou investimentos pesados nas torres de transmissão, e demais equipamentos que foram importados do Japão, Europa e Estados Unidos.

Adolpho contratou Rubens Furtado para a direção-geral, experiente profissional que trabalhara na TV Tupi. Zevi Ghivelder e Mauro Costa no jornalismo, Heitor Augusto e Julio Bartolo na direção de São Paulo, e Alexandre Garcia em Brasília, praça na qual a Manchete não possuia emissora própria. Samuel Tolbert, profissional renomado da TV americana, foi especialmente “importado” para tocar a engenharia.

O prazo final concedido pelo acordo da concessão se encerraria no dia 19 de agosto de 1983. Faltava pouco, e se a emissora não estreasse antes desta data, a Bloch Editores perderia as concessões. Enquanto o SBT já apresentava seus programas, a Manchete criava uma enorme expectativa nas emissoras concorrentes, no público e, principalmente, no mercado publicitário.

Por Diogo Montano

Diogo Montano é Bacharéu em Ciência da Computação, pós graduado em Gestão de Negócios, e trabalha há quase vinte anos unindo duas coisas que sempre gostou: comunicação e tecnologia. Cresceu assistindo à Globo e Manchete(imagens sem interferências na baixada fluminense), e em 1999, ainda antes de entrar na faculdade, publicou a primeira versão deste site, logo após a venda da emissora. Atualmente trabalha como PM(Product Manager) no Globoplay.

leia também

tudo sobre