1985: Manchete se populariza em busca de audiência

Pra todas as classes

Dois anos após sua estreia, já tinha dado para perceber que, apenas fazendo televisão para as classes A e B, e emissora não conquistaria a audiência que almejara. Estava claro que precisaria atrair as classes C e D. Mas mantendo-se referência para as classes com maior poder aquisitivo. Em outas palavras, teria um de público semelhando à Globo.

Por isso, Adolpho Bloch aprovou a produção de novelas, seriados e humorísticos, já estreando, logo no início de 1985, a novela e o seriado Tamanho Família.

Apesar do problema original ter sido o desequilíbrio entre investimento e retorno alcançados pela programação anterior, a empresa resolveu investir pesado nesta mudança de posicionamento. Antônio Maria, uma co-produção com a TV portuguesa, custou mais de 5 bilhões de cruzeiros. Este momento é considerado o segundo começo da emissora, quando abandonou slogans classistas e discursos intelectuais e quase preconceituosos, pra ir de encontro a uma audiência um pouco mais brasileira.

Manchete Shopping Show
Anúncio na imprensa

As mudanças começaram pela faixa vespertina, com a volta à TV brasileira do costureiro Clodovil no programa “De Mulher para Mulher”, diariamente às 14 horas. Em seguida, às 15h, era a vez do “Manchete Shopping Show“, um programa de variedades feminino que também contava com a participação do estilista. Mais tarde, às 19h30, entrava no ar o “Alô Papa, Alô Dola”, um show de variedades comandado por Pepita Rodrigues e Carlos Eduardo Dolabella.

Domingo de Graça - Costinha na Manchete

No Humor, estrearam Domingo de Graça e Aperte os Cintos, ambos estrelados por Costinha. O formato era conhecido: uma coleção de esquetes curtas, com personagens fixos ou não, como os clássicos Chico Anysio Show, Praça da Alegria, e tantos outros.

[yd=”dBkqKGCvUKU” title=”Chamada do – Fev/85″]

No , merecem destaque diversas séries documentais que a emissora produziu. Em parceria com a produtora Independente Intervídeo, pertencente ao jornalista Fernando Barbosa Lima, foram ao ar três grandes produções: Xingu, mostrando a vida dos indígenas da região do alto Xingu; Terra Mágica, que falava sobre as características e costumes de determinada região do país; e a série Japão, retratando o avanço que a Terra do Sol Nascente viveu depois da Segunda Guerra Mundial.

Lembrando bem o fato do novo posicionamento ter buscado uma expansão de público, e não uma troca, a Manchete fez questão de manter sua posição de “referência em conteúdo qualificado”. Além das séries jornalísticas, também estreou o memorável “Um Toque de Classe“, comandado pelo pianista Artur Moreira Lima e pelo saxofonista Paulo Moura. A proposta era popularizar o melhor da música clássica erudita.

Por Diogo Montano

Diogo Montano é Bacharéu em Ciência da Computação, pós graduado em Gestão de Negócios, e trabalha há quase vinte anos unindo duas coisas que sempre gostou: comunicação e tecnologia. Cresceu assistindo à Globo e Manchete(imagens sem interferências na baixada fluminense), e em 1999, ainda antes de entrar na faculdade, publicou a primeira versão deste site, logo após a venda da emissora. Atualmente trabalha como PM(Product Manager) no Globoplay.

leia também