Logo Mandacaru 1997, 1998

Mandacaru

Novela de Carlos Alberto Ratton, Mandacaru foi roteirizada por Calixto de Inhamuns e Douglas Salgado. escrita por Gregório Bacic e Clóvis Levi. Colaboração de Zeno Wilde, Tyrone Feitosa e Yoya Wursh. Trama principal inspirada no romance Dente de Ouro de Menotti Del Picchia. Direção de Ivan Zettel, Lizâneas Azevedo, Luís Antônio…

Sumário

Visão Geral de Mandacaru

Mandacaru estreou no dia 18 de agosto de 1997, às 21h45, permanecendo no ar permanecendo no ar até 10 de agosto de 1998, ou seja, praticamente durou um ano!

A história era baseada na vida do sertão nordestino e nas aventuras dos últimos cangaceiros da região, a partir da morte de Lampião. Com boa parte do elenco recém saídos da novela anterior, Xica da Silva, Mandacaru não manteve os índices de sua antecessora, fechando com 7 ou 8 de média, e picos de 10 pontos percentuais.

Pelo cronograma original, a trama terminaria em abril. No entanto, com a Copa do Mundo se aproximando, a direção da Manchete decidiu lançar a próxima novela só depois do evento esportivo. O objetivo era que Brida não competisse por atenção com o evento esportivo mais amado pelos telespectadores. Em agosto, portanto, a novela Brida poderia receber toda atenção da mídia, da emissora e do público.

Bemvindo Siqueira foi Zebedeu
Zebedeu virou protagonista da novela

A novela não pegou. Na trama central, a mocinha de Carla Regina vivia um triângulo amoroso entre o personagem de Murilo Rosa(repetindo o casal sucesso de Xica da Silva), e o cangaceiro interpretado por Victor Wagner, líder do maior bando daquele momento. Mas o público não se convenceu, e nem se comoveu com os dramas vividos pelos personagens.

Além disso, as imagens eram feias, com interiores das casas vazios, poucos adereços e rústicos ao extremo. A novela tinha uma atmosfera árida, figurinos surrados, sujos, e uma cidade cenográfica sem charme, sem tinta, envelhecida e bastante empoeirada. Um retrato que até pode ser factível considerando-se uma cidade do sertão nordestino dos anos 30, mas que é desagradável aos olhos do telespectador. Contrastava com a visão luxuosa do ambiente no qual estava inserida a história da Xica da Silva das Minas Gerais.

Além do triângulo amoroso sem química e sem torcida, e da imagem feiosa, também faltava humor. Este, que costuma ser um recurso recorrente em histórias que se passam em lugarres pobres do nordeste, ficava a cargo de um Frade Franciscano vivido por Guilherme Piva, outra repetição em relação à novela anterior (onde Piva também era encarregado de boa parte das cenas engraçadas). Na nova novela, no entanto, nem o ator e nem o personagem pareciam à vontade.

Chamada de Estreia - Mandacaru - 1997

Bemvindo Sequeira rouba a cena e salva Mandacaru

Bemvindo Sequeira interpretava Zebedeu, líder de um grupo de Cangaceiros inimigos de Tirana (Victor Wagner), que, ao contrário do que supunha a carreira pregressa do ator, Zebedeu não tinhanada de engraçado. Pelo contrário: Zebedeu era inescrupuloso, perseguia Tirana, e se divertia fazendo atrocidades desnecessárias. Vendo as tentativas de Walter Avancini em melhorar a novela, o ator sugeriu algumas mudanças. Avancini respondeu que entregava-lhe a novela caso nada desse certo ao fim do terceiro mês.

Foi o que aconteceu. Bemvindo Sequeira mudou a postura de seu personagem, se tornando um vilão debochado, delirante e infantilizado. Deu certo: se tornou o protagonista da trama. jogando os três protagonistas para a condição de meros coadjuvantes. E fez desaparecerem personagens de destaque na trama original, como os pais de Juliana, vividos por Jonas Mello e Ângela Leal. A novela se tornou uma comédia e foi esticada.

Zebedeu mandou pintar todas as casas da cidade. Transformou sua casa em uma verdadeira “Corte”, influenciando na forma de se vestirem e no que usavam como acessórios.

Para manter a audiência pelos onze meses em que permaneceu no ar, o diretor Walter Avancinni lançou mão de alguns recursos. Entre eles, as participações especiais de Marília Pêra, Agildo Ribeiro, Elba Ramalho, Alexia Deschamps e Antônio Grassi.

A novela foi reprisada em 2007 pela Band, às 22h, com médias de cinco pontos de audiência.

Sinopse de Mandacaru

A história de Mandacaru, inspirada no cangaço – marca de um dos períodos mais sangrentos e emocionantes da história do Brasil -, se passa na fictícia cidade de Jatobá no violento sertão de 1938, ano em que Lampião foi assassinado. A trama apresenta o universo nordestino sob a ótica dos cangaceiros e faz um resgate histórico da região quando a repressão do Estado Novo de Getúlio Vargas anunciava o fim do cangaço.

A escolha do nome – Mandacaru, planta que resiste às mais duras secas – já dá uma idéia da trama. O fogo cruzado entre os rebeldes e os volantes – como eram chamados os grupos policiais que perseguiam os cangaceiros – , ocorrerá paralelamente ao triângulo amoroso entre o perigoso Tirana(Victor Wagner), que luta para manter vivo o sonho do cangaço, Juliana (Carla Regina), a filha de Honorato (Jonas Mello) importante coronel da região de Jatobá, e Aquiles (Murilo Rosa), um tenente disposto a tudo para acabar com o banditismo no interior do Nordeste. A mocinha será arrancada do altar pelo bandido durante seu casamento com Dr. Edgar (Jandir Ferrari), o médico da cidade pelo qual ela nada sente. Seqüestrada, Juliana acaba se apaixonando pelo vilão.

Em Mandacaru, a figura rude do cangaceiro dá espaço também ao seu lado humano. Em meio a esse triângulo amoroso, Zebedeu (Bemvindo Sequeira), ambicioso em tomar o poder, reúne o seu bando e ataca a cidade de Jatobá. O cangaceiro assume o poder da cidade e, acreditando ser um enviado de Dom Sebastião, graça concedida pela personagem de Elba Ramalho, instaura um poder monárquico na cidade se intitulando Imperador de Jatobá. A partir desse momento, em meio às maldades que manda seus capangas praticarem, se torna o protagonista de cenas engraçadas, e o centro das atenções da novela.

A trama mostra um universo diversificado: a questão da terra, a repressão policial, os coronéis que não queriam mudanças, o sertanejo sofrendo com a miséria e o banditismo tentando sobreviver. Além disso, Mandacaru é pontuada por superstições, sexo e misticismo. A novela também não desperdiça a oportunidade de explorar as crendices do folclore nordestino e fanatismo religioso, tão comum no Nordeste, que está representado em Mandacaru por dois personagens antagônicos: Frei Dodô (Guilherme Piva) é generoso e perambula pelo sertão atendendo às populações mais carentes; já o padre Waldeck ( Carlos Alberto) toma partido dos poderosos e ignora os humildes, preocupado unicamente com seu conforto pessoal.

Os coiteiros – informantes dos cangaceiros – estão incluídos na trama e são representados principalmente por Lustosa (Tião DAvilla) e Dinda (Teresa Sequerra). Aliás, Dinda também se encaixa na parte cômica da novela porque bate no marido, o bêbado Terto, vivido por José Dumont. Ao contrário do que se possa imaginar, o humor tem destaque na história e há um aspecto lúdico nos personagens.

Mesmo não sendo baseada em personagens reais, uma profunda pesquisa antropológica, social e cultural abrange a trama. E Mandacaru se torna reveladora ao mostrar a história de um Nordeste que muitos jamais conheceram.

Texto originalmente escrito por Enio Marcio do Valle Leite, em 20/10/2005

Elenco de Mandacaru

Chamada de Elenco de Mandacaru - 1997

  • VICTOR WAGNER – Tirana
  • CARLA REGINA – Juliana
  • MURILO ROSA – Tenente Aquiles
  • BENVINDO SIQUEIRA – Zebedeu
  • JONAS MELLO – Coronel Honorato Guedes
  • CARLOS ALBERTO – Padre Waldeck
  • ALTAIR LIMA – Desidério
  • MIRIAM PIRES – Vó Isabel
  • JOSÉ DUMONT – Terto
  • JAYME PERIARD – Zagaia
  • JOANA LIMAVERDE – Neném
  • ÂNGELA LEAL – Olívia
  • OSWALDO LOUREIRO – Maldonado
  • TERESA SEQUERRA – Dinda
  • ALBY RAMOS – Agenor
  • ANSELMO VASCONCELLOS – Coronel Fenelon
  • ALESSANDRA MAIA – Maria
  • ALEXANDRA MARZO – Madalena
  • ALEXANDRE ZACCHIA
  • ALEXIA DESCHAMPS – Arlete
  • AMAZYLES DE ALMEIDA – Açucena
  • ANA PRADO – Divina
  • ANDRÉ MATTOS – Hosana
  • ANDRÉA AVANCINI – Zuzu
  • ANDRÉA GUERRA
  • ANDRÉA RICHA – Serena
  • ANTÔNIO GONZALEZ – Zé Caro
  • CAMILO BEVILÁCQUA – Faísca
  • CARLA MARTINS – Venância
  • CARLOS MACHADO – Capitão Luís Cavalcanti
  • CARLOS THIRÉ – André
  • CASSIANO CARNEIRO – Lustozinha
  • CÁTIA FREITAS – Pé de Pato
  • CLAUDIONEY PENIDO – Sargento Casimiro
  • CRISTIANA ESTEVES – Carlota
  • CLAUDIA PETRINA – Mena
  • DÉO GARCEZ – Godê
  • ED XIMENES – Passarim
  • EDMUNDO FÉLIX – Miudinho
  • ELIANA GUTTMAN – Nevinha
  • ESPERANÇA MOTTA – Leopoldina
  • EUGÊNIO BRETAS – Teobaldo
  • EVANDRO LEANDRO – Jiló
  • FABIANA RAMOS – Djanira
  • FELIPE WAGNER – Bispo Celestino Gonzaga
  • GILSON MOURA – Sereno
  • GISELE FRAGA – Mila
  • GUILHERME PIVA – Frei Dodô
  • HENRI PAGNOCELLI – Dr. Baraúna
  • IVAN SETTA – Maritaca
  • JANDIR FERRARI – Dr. Edgar
  • JEFFERSON BRITO – Biju
  • JÚLIO BRAGA – Marco Mantovani
  • JÚLIO LEVY – Serafim
  • LAFAYETTE GALVÃO – Coronel
  • LUÍS MAGNELLI – Oficial de Justiça
  • LUIZ ARMANDO QUEIRÓZ – Tenente
  • MAJÔ DE CASTRO – Déia
  • MARCÉLIA CARTAXO – Amália
  • MÁRCIA SANTOS – Raimunda
  • MARCOS PASQUIM – Eduardo Alencar
  • MATHEUS PETINATTI – Fala Baixo
  • MELISSA MEL – Gracinha
  • MOARA SENEGHINNI – Jerusa
  • MURILO ELBAS – Marinheiro
  • NANI VENÂNCIO – Bem-Me-Quer
  • NILL MARCONDES – Meia-Noite
  • NINA DE PÁDUA – Maria Batalhão
  • PAULA MELISSA – Geralda
  • PAULO HESSE – Ferreirinha
  • RAYMUNDO DE SOUZA – Felipe Câncio
  • RICARDO TEILA – Luiz Paixão
  • ROBERTO LOPES – Chico Pentecoste
  • ROGÉRIO FABIANO – Jurandir de Jesus
  • ROGÉRIO WAGNER – Tonhão
  • RONEY VILELLA – Baioneta
  • SANDRA PÊRA – Baiana
  • SEBASTIÃO LEMOS – Antenor Alencar
  • TÂNIA BÔSCOLI – Manuela
  • TERESA SEQUERRA – Dinda
  • THELMA RESTON – Filó
  • TIÃO D’ÁVILA – Lustosa
  • VALDIR FERNANDES – Capitão Fontes
  • VIVIANE VICTORETTE – Rosário
  • WÁLTER SANTOS – Avelós

Participações Especiais:

  • ALCEU VALENÇA – Lampião
  • DANIELA MERCURY – Maria Bonita
  • MARÍLIA PERA – Isadora
  • AGILDO RIBEIRO – Salustiano
  • ROBERTA CLOSE – Maitê Flores
  • TÂNIA ALVES – Severina Dantas
  • ELBA RAMALHO – Beata
  • ALEXIA DESCHAMPS – Arlete
  • ANTÔNIO GRASSI – Glauco Corrêa

Elenco de Apoio:

  • AMANDA PINHEIRO
  • ANDERSON DE AGUIAR
  • ANDRÉIA RIBEIRO
  • ATHAYDE ARCOVERDE
  • CARLOS ESTUPIÃ
  • CRISTINA FERRO
  • CRYSTIANE PIRES
  • ED OLIVEIRA
  • ERONILDO CLARINDO
  • FÁBIO MENESCAL
  • GILVANILDO LIMA
  • HIRAN COSTA JR.
  • IZLENE CRISTINA
  • JOÃO JUNIOR
  • JOSÉ DE ALENCAR
  • JOSÉ ROBERTO LOPES
  • KAKAU BALBINO
  • KIKA MAGNONI
  • KIKO NUNNES
  • LUIZ LOBO
  • LULLA MORENO
  • MAURÍCIO GANGUÇU
  • NILL NEVES
  • PATRÍCIA CARVALHO
  • PAULO PORTES
  • RENATO OLIVEIRA
  • RICARDO MARCOS
  • SOPHIA BISSILIAT
  • VERA FERREIRA
  • WANDERSON LEGEY

Texto originalmente escrito por Miguel Rivera, em 21/01/2006

leia também