Tocaia Grande

Horário: 21h30. de 16 de outubro de 1995 a 10 de setembro de 1996. 236 capítulos. escrita por Duca Rachid, Mário Teixeira e Marcos Lazarini. supervisão de texto de Wálter George Durst. baseada no romance homônimo de Jorge Amado. direção de Wálter Avancini, Régis Cardoso, João Camargo, J. Alcântara e…

Neste post

Tocaia Grande traz de volta o público da Manchete

Baseada no livro homônimo de Jorge Amado, Tocaia Grande estreou no dia 16 de outubro de 1995 e terminou exatamente 11 meses depois, em 16 de setembro de 1996. Adolpho Bloch apostou na novela e desembolsou cerca de 8 milhões iniciais na confecção de figurinos, cenários, construção de uma cidade cenográfica (em Maricá, RJ), e novos profissionais. Era a esperança do empresário para voltar a produzir grandes novelas e alavancar a audiência da Manchete.

Tânia Alves e Roberto Bonfim - Tocaia Grande
Tânia Alves e Roberto Bonfim – Tocaia Grande

Baseada no livro de Jorge Amado, e dirigida por Régis Cardoso, a novela começava a ser produzida. As cenas externas eram gravadas na cidade cenográfica de Maricá, onde a Itabuna dos anos 20 estava fielmente retratada. As internas eram geradas do Complexo de Água Gradnde, onde estavam montandos mais de 80 cenários para a superprodução.

A Itabuna dos anos XX foi fielmente retratada pelo Departamento de Engenharia da Manchete. 120 funcionários trabalharam pesado e ergueram a cidade no tempo récorde de 70 dias.

Imagem de Tocaia Grande da Rede Manchete -
Cidade cenográfica de Tocaia Grande

A novela estreou com barulho, mas não obteve os resultados que Bloch imaginava. Com uma audiência presa nos 3 pontos e descontente com os resultados, Adolpho resolve trocar o diretor da trama. Com dois meses de exibição, Walter Avancinni assumia o controle da novela e, de imediato, chamou Walter George Durst para chefiar o time de roteiristas. Pouco depois de contratar Avancinni, Adolpho Bloch falecia.

As primeiras providências do novo diretor foram rápidas. De uma vez só Avancinni agilizou a história, trouxe vários personagens e acabou com outros, “enxugando” o elenco da novela – que possuia cerca de 74 personagens. Além disso, deu boas pitadas de erotismo às cenas. Uma série de jovens atores entrava na história, como por exemplo, Carla Regina, Joana Limaverde e Ana Cecília.

Os resultados vieram rápido. A novela ficou com uma aidiência de 10 pontos em média, com chegava frequentemente a 12.

Campanha de Tocaia Grande sob direção de Walter Avancini
Anúncio de Tocaia Grande após Walter Avancinni assumir exalta o Castelo da Gringa, o prostíbulo da novela.

Além disso, a novela contava ainda com algumas participações especiais, como a da atriz Patrícia Luchesi. Merece destaque ainda Mírian Pires, que viveu a esposa de Boaventura Amaral. Dalton Vigh viveu Venturinha. Joana Limaverde interpretou Buriti, outra prostituta que se apaixona por um Turco. E Carla Regina fazia parte dos novos moradores da cidade de Tocaia Grande.

De um modo geral, o rendimento da novela foi bom. Considerando que esta era praticamente a primeira novela de uma emissora que não as fazia há muito tempo, a novela teve sua audiência justa. Os 22 pontos sonhados por Adolpho Bloch não poderiam ser conseguidos, pois, nessa época, a Manchete não tinha mais um público cativo. Era necessário “reatrair” esse telespectador, para que ele voltasse a confiar na emissora e se fixasse novamente nela. Quando “Xica da Silva” estreou, teve uma audiência de 17 pontos, só conseguido através do público que assistia “Tocaia”. A novela também significou a volta dos faturamentos e créditos ao canal. Durante os 11 meses que esteve no ar, vários programas começararam a ser produzidos e, no final da novela, a programação da Manchete já era bem diferente da de outubro de 95.

Anúncio de Tocaia Grande veiculado em revistas e jornais em dezembro de 1995
Anúncio de Tocaia Grande veiculado em revistas e jornais em dezembro de 1995

Sinopse de Tocaia Grande

Tocaia Grande é a história da fundação de uma cidade no sul da Bahia numa época em que as plantações de cacau eram adubadas com sangue. A história conta a disputa pela terra e pelo domínio político entre os coronéis Boaventura Amaral e Elias Daltro.

Tudo começa quando Natário da Fonseca quer deixar de ser um simples jagunço para virar coronel. Natário se destaca comandando o “grupo” de Boaventura. Com esse destaque, ele ganha a patente de Capitão e, com isso, algumas terras. Natário começa a plantar cacau e incentiva a fundação de uma nova cidade cujo nome será Tocaia Grande, palco de conflitos com os coronéis de Itabuna que querem continuar dominando a região e não admitem a ascenção de Natário.

No meio da disputa, surge a prostituta Júlia Saruê, que é perseguida pelos coronéis. Júlia tem quatro filhos, que abandonou quando estes eram pequenos. Entre eles, Sacramento, Ressú e Bernarda. Ressú fora criada com o padre Mariano em Itabuna.

Apaixonada pelo cego Coronel Felipe Sampaio, a moça vive com ele o romance central da história. Bernarda é apaixonada por Natário, que, juntamente com sua esposa Zilda, foi quem a criou. Com a morte de sua esposa, Natário fica livre e cai nos braços de Bernarda. E Sacramento é a alegria do Coronel Boaventura, que ao morrer pede a Natário que se encarregue da moça encaminhando-a da melhor forma possível.

Mas a morte do Coronel Boaventura traz a Tocaia Grande o seu filho, Venturinha, que é obrigado a largar de sua boa vida na Europa, regressar para casa, e assumir as finanças e a política deixadas pelo pai. Ao saber que o Capitão Natário não irá mais lhe assessorar, pois o seu compromisso era com o pai e com a morte dele cessou suas obrigações, Venturinha se revolta e vai atrás de vingança.

Elenco de Tocaia Grande

  • ROBERTO BONFIM – Natário da Fonseca
  • CARLOS ALBERTO – Coronel Boaventura Amaral
  • TÂNIA ALVES – Julia Saruê
  • GABRIELA ALVES – Sacramento
  • TAÍS ARAÚJO – Bernarda
  • GIOVANNA ANTONELLI – Ressú
  • VICTOR WAGNER – Coronel Felipe Sampaio
  • DALTON VIGH – Venturinha
  • LEONARDO VILLAR – Coronel Elias Daltro
  • GÉRSON BRENNER – Pedro Cigano
  • JOSÉ DUMONT – Né Cachorrão
  • ANTÔNIO POMPEO – Robustiano
  • DENISE DEL VECCHIO – Jacinta
  • ÂNGELA LEAL – Zilda
  • PATRÍCIA LUCCHESI – Maria Mocinha
  • REGINA RESTELLI – Gringa
  • JOANA LIMAVERDE – Buriti
  • ALEXANDRE ZACCHIA – Fadul Abdala
  • ANA CECÍLIA – Marisca
  • MÍRIAM PIRES – Ernestina
  • JACKSON COSTA – Aurélio
  • ANTÔNIO PETRIN – Padre Mariano
  • EDWIN LUISI – Enoch Morgado
  • VICK MILITELLO – Dora Pão-de-Ló
  • NELSON FREITAS – Adão
  • SUELY FRANCO – Marcolina
  • LOU MODESTO – Belinha
  • TIÃO D’AVILLA – João Lírio
  • LUCIANA PALHARES – Morena
  • GEÓRGIA GOMIDE – Ludmila
  • ISAAC BARDAVID – Jamil Scaff
  • SUZANA PIRES – Arusa
  • ROBERTO FROTA – Mestre Rosa
  • MARIA CEIÇA – Rufina
  • IVAN DE ALMEIDA – Tobias
  • LAERTE MORRONE – Barão de Itauçú
  • BÁRBARA FAZZIO – Maria Claude (Baronesa Itauçú)
  • MARCO MARCONDES – Terêncio
  • BENVINDO SIQUEIRA – Lupicínio Larora
  • JOÃO SIGNORELLI – Agnaldo
  • CARLA REGINA – Diva
  • TINA FERREIRA – Ana
  • MARCELO PICCHI – Pif Paf (Aristides)
  • CÍNTIA RACHEL – Alta Rosa
  • ELIANE NARDUCCI – Caetana
  • TIÊ ALVES
  • JORGE EDUARDO COSTA
  • IBANÊZ FILHO – Coronel Ilídio
  • CLÁUDIO MAMBERTI – Dodô Pó-de-Arroz
  • HENRIQUE CÉSAR – Dr. Eusébio
  • LUÍS MAGNELLI – Florêncio
  • NILDO PARENTE – Frei Théo
  • ALCIONE MAZZEO – Irmã Auxiliadora
  • NEUZA AMARAL – Madre Maria de Jesus
  • LÉA GARCIA – Isabel
  • SIMONE CARVALHO – Jussara Rabad
  • MARCOS WAIMBERG – Klaus
  • SERAFIM GONZALEZ – Kurt
  • TÂNIA BÔSCOLLI – Lia
  • ELIANE OVALLE – Madeleine
  • IZA DO EIRADO – Maria Gina
  • SOLANGE COUTO – Sabina
  • MARCELA CARTAXO – Vangé
  • LUCIENE ADAMI – Zezinha
  • NÚBIA DE OLIVEIRA – Mimi
  • NELSON FREITAS – Adão Valadares / Olímpio Damião
  • ALEXANDRE MORENO – Castor
  • MARIA CLARA – Cotinha
  • ROZANA PRAZERES SOARES – Sinhá Dadinha
  • REJANE DE MORAES – Zu
  • EVANDRO LEANDRO – Zé Amâncio
  • CLAUDIONEY PENIDO – Cravo Preto
  • RONNIE MARRUDA
  • LUCIANA COSTA
  • SUZANNE SEIXAS
  • MAGDA PUCCI
  • JOYCE DE OLIVEIRA
  • FERNANDA AZEVEDO
  • WÂNIA ACAIABA
  • KÁTIA REIS
  • NILZA MONTEIRO
  • E THÉO MACHADO

leia também