Clube da Criança com Angélica

Em abril de 1987, cerca de um ano após a saída de Xuxa, a Manchete relançaria o Clube da Criança, mas com apresentação de Angélica, carismática adolescente que até então apresentava outro infantil na emissora, o matinal “A Nave da Fantasia”. O desempenho da apresentadora à frente do programa e a simpatia que despertava em Adolpho Bloch, incetivaram a substituição do quase educativo “Lupu Limplin Caplá Topo”, que com Lucinha Lins e Claudio Tovar ocupavam a faixa antes ocupada por Xuxa, por uma nova versão do Clube, apostando em uma criança apresentando programa para outra criança. Assim Angélica se tornaria já no ano seguinte, a maior estrela da emissora.

Em 1989, lançou seu primeiro disco com o sucesso arrasa-quarteirão “Vou de Taxi”, que viraria um hino em sua carreira. Aos quinze anos ganhou outro programa: Milk Shake ia ao ar aos sábados e com a ambição de preencher uma lacuna deixada pela morte de Chacrinha, atingia médias de 14 pontos no Rio e 7 em São Paulo.

Angélica deixou a emissora em 1993, quando Bloch vendeu a emissora, em crise, para o grupo IBF. Ironicamente no dia que deixou a Manchete, recebeu uma correspondência de Adolpho Bloch pedindo que ela não deixasse a emissora, porque ele havia reassumido o controle da empresa naquele instante, mas a apresentadora já estava com contrato assinado com o SBT.

No seu auge, em 1990, o programa chegou a ser apresentado das 13 às 18 horas, numa época em que a Manchete só ficava atrás da Globo no Rio e brigava pelo segundo lugar com o SBT em São Paulo. O programa contava com a presença dos seriados japoneses de sucesso na época, além de consagrados desenhos animados e claro, musicais e brincadeiras.

Clube da Criança com Angélica