SBT reexibiu Pantanal em 2008 para frear Record

Em 2008, o SBT perdia a cada dia mais audiência para a Rede Record, que investia pesado numa programação com a cara da Globo. A emissora da Igreja Universal estreava seu segundo horário de novelas com a tão aguardada novela Cidadão Brasileiro, de Lauro Cesar Muniz. Para evitar que no novo horário a novela repetisse o sucesso que as histórias das 19h00 alcançavam, Silvio Santos recorreu ao jeito SBT de surpreender o público: adquitiu um lote de novelas da Manchete das mãos de José Paulo Vallone, que por sua vez, as teria arrematado em um recente leilão.

A emissora de Silvio Santos já tinha reprisado, entre 2006 e 2007, a novela Xica da Silva, também da Manchete, mas que diferentemente de Pantanal, teria sido comprada das mãos da Bloch Som & Imagem, empresa ainda de propriedade da familia Bloch. A estratégia na época deu certo: Xica conteve o avanco da Record, e garantiu a vice-liderança para o SBT.

A clássica história de Benedito Ruy Barbosa estreou em 09/06 de 2008, às 22hs, depois de um bombardeio de chamadas no ar anunciando uma
“arma secreta do SBT”, sem portanto, anunciar que se tratava da novela da Manchete. O público só soube que se tratava da novela no momento da veiculação do primeiro capítulo. A partir dali as chamadas já começaram a valorizar o “êxito” da empreitada.

O milagre da multiplicação dos capítulos

O resultado foi excelente, dando ao SBT audiências entre 15 e 20 pontos, ante 7 conseguidos com a programação naquele horário. Como resultado, conseguiram a façanha de esticar a novela, aumentando sua quantidade de capítulos. Inicialmente mais acelerada, um recurso comum em reprises, logo a equipe de edição passou a inserir repetidamente as cenas produzidas na época pela própria Manchete com o mesmo fim: clipes musicais no meio do capítulo, entre cenas, mostrando as belezas da região. Com sua trilha sonora impecável e uma paisagem exuberante, a estratégia foi motivo de críticas, mas também de aplausos em 1990.

A estratégia do SBT em 2008 usou estes mesmos clipes, reinserindo-os em capítulos que não teriam a “lenga lenga”. Portanto, era comum reaparecerem clipes que já tinham sido exibidos em capítulos anteriores, novamente e depois, novamente… Na imprensa, chegou a correr o boato que Silvio Santos queria reprisar toda a novela tão logo o último capítulo fosse levado ao ar.

Ruy Barbosa processou SBT

A Globo não gostou, pois era a detentora patrimonial da história, e portanto, da obra. A líder adquiriu o texto do autor Benedito Ruy Barbosa e tinha planos de produzir um remake de Pantanal. A emissora adiou os planos, e só colocaria a nova versão no ar em 2022.

O autor, Benedito Ruy Barbosa, imediatamente entrou com um processo contra o SBT alegando que a emissora teria passado por cima do seu Direito de Autor ao fazer edições não autorizadas que prejudicariam sua reputação. Perdeu em primeira instância e recorreu.

O SBT se dizia dono da novela por ter adquirido um bem que pertencia à TV Manchete, de forma legal. Disse ainda que a novela não pertencia ao autor, já que ele apenas trabalhava para a TV Manchete e recebia salário para isso. Esta visão no entanto, ignorava um detalhe: o autor havia cedido à Manchete os Direitos Patrimoniais da obra por 15 anos, e portanto, a massa falida da emissora havia perdido a “posse” da novela em 2005.

Em 2009, o STJ decidiu que os direitos de Pantanal pertenciam a Benedito Ruy Barbosa, e não ao acervo da Manchete. O SBT foi condenado a pagar 250 mil reais, valor que o autor achou baixo. Benedito recorreu, e em 2021 o Juiz pediu que uma perícia seja feita para apuração do justo valor.

Por Diogo Montano

Diogo Montano é Bacharéu em Ciência da Computação, pós graduado em Gestão de Negócios, e trabalha há quase vinte anos unindo duas coisas que sempre gostou: comunicação e tecnologia. Cresceu assistindo à Globo e Manchete, canais de tv que tinham as melhores imagens da região. Em 1999, ainda antes de entrar na faculdade, publicou a primeira versão deste site, logo após a venda da Manchete.

leia também