O maior jornal da TV

Com o dobro de tempo dos concorrentes, o jornal se propunha a se aprofundar e analisar os fatos relevantes do dia, com a participação de comentaristas, correspondentes internacionais, e co-apresentadores em SP e Brasília. Inovou desde a estreia, inspirado na BBC e na CNN, e foi o primeiro a ser ancorado da cidade-sede das Olimpíadas, em 1996.

“Videogame”, composta pelo Roupa Nova, era a música-tema do Jornal da Manchete

O Jornal da Manchete estreou no dia seguinte à estreia da emissora, em 6 de junho de 1983 , sendo o carro-chefe da programação nos primeiros anos de funcionamento da rede. Seguindo os padrões estético e de linguagem semelhantes à prestigiada BBC de Londres e à recém inaugurada americana CNN, era o maior telejornal da TV, literalmente, com surpreendentes duas horas de duração. Era dividido em segmentos que cobriam cultura, esportes, notícias internacionais e nacionais, e tinha um cenário futurista, desvendando moderníssimos equipamentos ao fundo com os funcionários do “switch” e da redação trabalhando livremente. O cenário era todo prateado, e remetia a uma nave espacial, padrão estético relacionado a alta tecnologia na época.

Cenário futurista do jornalismo no RJ
Cenário futurista do jornalismo no RJ

Com uma trilha sonora jovem, às 19 horas daquela segunda-feira a canção Videogame, composta por encomenda a0 conjunto Roupa Nova, tocou pela primeira vez na TV dos brasileiros. A música-tema do Jornal da Manchete foi uma das mais marcantes da TV, permanecendo no ar até por meses após o fim da emissora (durante o período de transição para a RedeTV!).

A proposta era se aprofundar nas notícias e trazer análise de comentaristas de prestígio. Já no ano de estreia foi considerado pela crítica o jornal de maior credibilidade na TV, reconhecimento que se repetiria nos anos seguintes, sempre oscilando entre o primeiro e segundo lugares dentre as emissoras não públicas.

Arte com Logos e titulares do Jornal da Manchete

Apresentado nos primeiros anos por Ronaldo Rosas e Carlos Bianchinni, em 1989 passou para as mãos de Leila Cordeiro e Eliakim Araújo, durante a época de ouro da Manchete. Em 1993, Marcia Peltier assumiu, permanecendo até 1998, pouco antes de a emissora ser vendida.

O telejornal inovou muitas vezes. Além do cenário exibindo a redação ao fundo, do jeito mais informal de dar notícias e interagir com especialistas, o JM trazia constantemente novidades nas vinhetas e pacote gráfico, se mantendo sempre à frente do seu tempo. Também foi o primeiro a ter seu apresentador interagindo com âncoras em outras capitais por um telão, e o primeiro a ser ancorado da cidade sede de um grande evento esportivo, as Olimpíadas de Atlanta em 96 (e depois na Copa de 98) .

O último cenário mostrava a redação, devidamente reformada, atrás de um vidro com um mapa-mundi. Mais uma inspiração para o Jornal Nacional poucos anos depois.