Além das boas histórias, livro de Luiz Santoro tem a cara da Manchete

Em agosto de 2021, o jornalista Luiz Santoro lançou o livro “Minha vida na Rede Manchete e algumas histórias da TV e do Rádio, onde o ex âncora do conta histórias curiosas que vivenciou durante seu período na emissora. Além das boas histórias, que por si só já são uma aula em conteúdo, Santoro o faz com uma linguagem acessível, precisa, mantem a curiosidade do leitor em fatos triviais, sem abrir mão da credibilidade, e ainda une tecnologia e criatividade na versão em audiobook, com sonoplastia profissional. Coincidentemente ou não, possui os atributos mais lembrados dos bons programas da Manchete: qualidade e relevância, valor cultural e educativo, linguagem acessível, divertido na medida, e usa e abusa dos recursos tecnológicos e audiovisuais para inovar.

Luiz Santoro lança livro sobre sua passagem na Manchete
Luiz Santoro, autor de Minha vida na Rede Manchete, durante evento de lançamento do livro.

Luiz Santoro foi apresentador dos principais telejornais da emissora durante seus cinco primeiros anos. Neste período, o era motivo de orgulho para o canal, como carro-chefe da programação, além de muito prestigiado pela crítica e público. Santoro, portanto, foi o rosto e a voz do principal produto, que fez escola, sendo admirado e copiado em seguida pelas concorrentes.

Jornal da Manchete 2a Edição - 1985

A obra foi lançada em nas versões impressa e a digital. A digital, por sua vez, inclui o próprio livro físco em PDF e um audiobook, que acaba sendo um show à à parte. Além de fazer a locução do texto, o que já traria um nível de qualidade acima da média, Santoro explorou todo o potencial da tecnologia, incluindo recursos de sonorização, vinhetas da emissora e imitações divertidas interpretadas pelo próprio jornalista.

Por último, vale destacar que o também professor Santoro explica com clareza, didatismo e no tempo certo, as palavras e expressões específicas da indústria do audiovisual, e faz isso sem comprometer o ritmo do discurso. Logo, o livro se torna agradável, engraçado e cheio de informações no mínimo curiosas para todos os públicos.

Âncora

Santoro costuma usar o título “âncora”, quando se refere à função que exerceu na Manchete. Ele tem razão. Bóris Casoy acabou ficando com o mérito de ter sido o precursor no Brasil porque o SBT lançou o TJ Brasil inspirado no Jornal da Manchete. Para tentar vender a ideia de que era melhor, valorizou o aspecto “opinião” a ponto de distorcer o conceito. Acabaram vendendo como positivo um aspecto que, na verdade, ia contra as boas práticas do jornalismo: abrir espaço para a opinião sem dar espaço ao contraponto. O TJ Brasil acabou se mostrando um bem sucedido projeto de marketing. Não de jornalismo.

Capa do Livro de Luiz Santoro
Minha vida na Rede Manchete e algumas histórias da TV e do Rádio
  • Autor: Luiz Santoro
  • Editora ‏ : ‎ Gramma Editora; 1ª edição (10 agosto 2021)
  • Idioma ‏ : ‎ Português
  • Capa comum ‏ : ‎ 171 páginas
  • ISBN-10 ‏ : ‎ 658605253X
  • ISBN-13 ‏ : ‎ 978-6586052534
  • Dimensões ‏ : ‎ 14 x 1 x 20.3 cm

AMAZON: https://amzn.to/3OPCaUM

Por Diogo Montano

Diogo Montano é Bacharéu em Ciência da Computação, pós graduado em Gestão de Negócios, e trabalha há quase vinte anos unindo duas coisas que sempre gostou: comunicação e tecnologia. Cresceu assistindo à Globo e Manchete(imagens sem interferências na baixada fluminense), e em 1999, ainda antes de entrar na faculdade, publicou a primeira versão deste site, logo após a venda da emissora. Atualmente trabalha como PM(Product Manager) no Globoplay.

leia também