Logo - Jornal da Manchete - 1998,1999 - TV Manchete

Um novo tempo para a notícia

Com o dobro de tempo dos concorrentes, o Jornal da Manchete buscava se aprofundar e analisar os fatos relevantes do dia, com a participação de comentaristas, correspondentes internacionais, e co-apresentadores em SP e Brasília. Inovou desde a estreia, inspirado na BBC e na CNN, e foi o primeiro a ser…

O Jornal da Manchete (1a Edição) foi ao ar pela primeira vez em 6 de junho de 1983, uma segunda-feira e primeiro dia útil de funcionamento da nova emissora. Nesta fase, o jornal era o programa mais importante da grade de programação e também aquele que melhor representava o posicionamento do canal. O Jornal da Manchete era, portanto o “carro-chefe” ou “cartão de visitas” da TV do ano 2000. Foi a primeira vez que um canal de TV aberta deu tamanha importância ao jornalismo.

Proposta

O noticiário era apresentado por segmentos que cobriam, respectivamente, cultura, , notícias internacionais e, finalmente, notícias do Brasil. Era, literalmente, o maior telejornal da TV, com um total de duas horas de duração, quatro vezes mais que o tempo dos noticiários das outras emissoras.

A proposta era cobrir as notícias com profundidade, analisadas por comentaristas de prestígio. Já no ano de estreia foi considerado pela crítica o jornal de maior credibilidade na TV, reconhecimento que se repetiria nos anos seguintes, oscilando entre o primeiro e o segundo lugar entre as emissoras não públicas.

Moderno

Seguindo padrões estético e narrativo declaradamente inspirados na prestigiada BBC de Londres e na recém inaugurada CNN americana, tinha cenário futurista, que deixava à mostra modernos equipamentos e funcionários trabalhando livremente entre o “switch” e a redação. Totalmente prateado, remetia uma nave espacial, padrão estético associado à alta tecnologia na época.

Cenário do Jornal da Manchete, 1983
Cenário do Jornal da Manchete, 1983

Trilha sonora jovem, a canção Videogame, composta sob encomenda para o grupo Roupa Nova, tocou pela primeira vez na TV brasileira pontualmente às 19 horas. A música-tema do Jornal da Manchete foi uma das mais marcantes da TV, tendo permanecido no ar, inclusive, após o fim da TV Manchete (entre maio e novembro de 1999, durante o período de preparação para a estreia oficial da RedeTV!).

Muitos telejornais confundem concisão com omissão. Divulgam, mas não explicam. E você fica sem saber a importância, o significado, as causas e conseqüências dos fatos nacionais e internacionais. O JORNAL DA MANCHETE faz de cada notícia
uma reportagem completa. Descreve, analisa, comenta e interpreta. Fornece todos os elementos
para o espectador se situar e formar opinião.

Anúncio do Jornal da Manchete publicado em revistas do país, em 1984

Fases

Apresentado nos primeiros anos por Ronaldo Rosas e Carlos Bianchinni, em 1989 passou para as mãos de Leila Cordeiro e Eliakim Araújo, durante os anos de maior sucesso da Manchete. Em 1993, Marcia Peltier se tornou a titular, posição que ocuparia pelos cinco anos seguintes, até deixar a emissora durante sua última crise financeira. .

O jornal buscou inovar durante toda sua trajetória. Além do cenário revelando a redação ao fundo e do jeito mais conversado de mostrar as notícias e interagir com especialistas, o JM trazia frequentemente novidades nas vinhetas e no pacote gráfico, hábito que o manteve à frente do seu tempo. Foi também o primeiro a ser apresentado a partir da cidade sede de um grande evento esportivo mundial, as Olimpíadas de Atlanta em 1996 (e depois na Copa de 98) .

O último cenário, inaugurado em março de 1998, foi uma volta às origens. A bancada aparecia novamente integrada à redação, devidamente modernizada, com computadores novos e móveis em madeira marfim. Um grande mapa-múndi “jateado” em um vidro transparente separava o apresentador dos colegas da redação. O cenário foi um dos mais elegantes da TV e serviu de inspiração para o Jornal Nacional dois anos depois.

Apresentadores Titulares

  • 1983 a 1987: Ronaldo Rosas e Carlos Bianchinni.
  • 1987 a 1989: Carlos Bianchini
  • 1989 a 1992: Leila Cordeiro e Eliakim Araujo: o jornal ganha agilidade e uma linguagem mais próxima ao público. Foi o período de maior audiência da emissora e também do jornal, quando o casal se consolidou como casal 20 do telejornalismo.
  • 1993: de janeiro a maio, o jornal foi apresentado por Paulo Markun e Sonia Pompeu, no fim da gestão IBF.
  • 1993 a 1998:Marcia Peltier, primeira mulher a ser o principal nome do jornalismo de uma emissora, e a apresentar um telejornal por mais de quatro anos.
    • 1996: Marcia Peltier dividiu a bancada com Marcos Hummel entre setembro e dezembro.

leia também