Estrutura colossal apavorou rivais, mas debilitou saúde financeira

A Manchete entrou no ar com cinco emissoras próprias, nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Fortaleza e Recife; além de uma grande afiliada, a TV Pampa de Porto Alegre. Nos primeiros anos a rede seguiu agregando mais e mais afiliadas e retransmissoras, chegando à terceira colocação em cobertura de sinal apenas dois anos após a sua estreia. O ápice ocorreria em 1991, quando chegou a quase 90% do território nacional.

size_590_manchete_divulga

Logo na estreia, os equipamentos importados, de última geração, faziam da Manchete a emissora de televisão mais avançada do mundo. Tinha equipamentos que ainda nem tinha sido vendidos para outro canal no planeta. Adolpho Bloch levou quase dois anos para montar toda esta estrutura. Projetos gráficos ficavam por conta de uma divisão interna denominada Manchete Computer Grafics, liderada pelo americano Samuel Tolbert e também por Toni Cid Guimarães (atualmente na Globo). Tolbert criou toda a instalação da emissora e implantou os grandes projetos de rede. Na época ele tinha uma emissora nos Estados Unidos e havia sido ainda o criador do sistema de micro-ondas, que permitiu a transmissão da viagem do homem à Lua. O “Manchete Computers Graphics” era um dos mais avançados departamentos gráficos do planeta durante toda a década de 80.

Controle
Sala de Controle no RJ

O prédio da editora Bloch, na zona sul carioca, ficaria pequeno para suportar a emissora, e por isso Bloch adquiriu o casarão ao lado e construiu um prédio coligado de forma que juntos parecessem um único edifício. Naturalemnte o projeto foi assuinado pelo seu amigo pessoal Oscar Niemeyer, que costumava fazer todos os projetos da empresa. Desta forma, ao longo de 1982 foi construído o “complemento”, que mais que dobrou o tamanho do já belíssimo e imponente prédio-sede da Bloch Editores em plena Praia do Flamengo.

Construção da segunda metade do prédio da Bloch, em 1982

O grande e suntuoso prédio do Rússel para que fosse instalada a Rede Manchete de Televisão. O quarto e o quinto andares abrigariam a redação e a diretoria da emissora. No primeiro andar ficariam localizados os estúdios. E a presidência das empresas Bloch se instalaria no nono andar. Além disso também houve uma reforma no teatro Adolpho Bloch para que pudesse servir a programas de auditório, e ainda um prédio anexo atrás do edifício principal para abrigar mais dois estúdios e um estacionamento.

Mas a idéia de diminuir custos e agilizar a produção de programas já estava na visão de seus diretores. A idéia era construir um centro capaz de produzir programas de todos os tipos, onde fossem concentradas as oficinas, os estúdios e os camarins. Nascia aí a idéia que levaria a Rede Manchete a construir o Complexo de Televisão de Água Grande, um modelo que seria copiado mais tarde pela Globo (Projac) e SBT (CDT da Anhanguera).

Em janeiro de 1990 a emissora inaugurou uma mini-sede na cidade de São Paulo a um custo total de 25 milhões de dólares. O edifício, que abrigaria departamentos de Jornalismo, produção de shows, cenários para telenovelas e a redação das revistas, também foi arquitetado por Oscar Niemeyer, assim como todos os demais prédios da emissora O prédio era uma miniatura do que o Grupo possuía no Rio de Janeiro e São Paulo. Na fotografia abaixo podemos ver, à esquerda, os estúdios da emissora, uma ampliação da antiga sede da editora na cidade de São Paulo, localizado à Rua Bruxelas, e à direita um prédio idêntico ao prédio-sede do Rio de Janeiro. A mini-sede substituiria a atiga redação da Bloch Editores e, por tradição, possuía um enorme logotipo ao topo.